Meio bilhão por mês: investigando contratações terceirizadas no governo federal

Compilamos dados inéditos da Controladoria-Geral da União (CGU) que mostram quem gasta mais, quanto custa, como e onde

Está é a edição # 20 da newsletter Don’t LAI to Me, a primeira no Brasil a trazer dicas e tutoriais exclusivos de como obter documentos e informações do poder público por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), bem como bases de dados inéditas. Este produto é totalmente gratuito e feito por voluntários. Apoie nosso trabalho!


Fique por dentro

Está chegando agora e não sabe o que é ou como usar a Lei de Acesso à Informação (LAI)? Ouça esta conversa que tivemos com o Podcast Coluna7, das nossas parceiras do Colaboradados ou ainda esta outra, com o pessoal do Leitura ObrigaHistória. Assista à entrevista do nosso editor Luiz Fernando Toledo ao curso de jornalismo de dados do Knight Center. Acompanhe também nossos vídeos no Youtube. E se você já sabe o que é a LAI, mas quer se aprofundar, leia este tutorial sobre como garantir boas respostas.


Universidades federais concentram gastos com funcionários terceirizados no Brasil

A lista de funcionários terceirizados do governo federal, organizada pela Controladoria-Geral da União, mostra uma série de informações interessantes para investigações e pesquisas. Veja a tabela que montamos com os principais recortes possíveis. (fontes abaixo).

Ao todo, a lista contempla 97,8 mil funcionários terceirizados, com custo mensal de cerca de R$ 449 milhões (é possível que este valor mude ao longo dos meses). Nada comparado ao 1,1 milhão de servidores públicos federais, com custo de R$ 86 bilhões ao ano.

Chama a atenção que as universidades federais correspondem à contratação de quase ¼ desses terceirizados - 23,5 mil, ao todo, lista liderada pela UFRJ, com 3,9 mil funcionários nesta condição. (veja lista completa por universidade na tabela que montamos).

O salário mais alto é de R$ 23 mil - um jornalista que atua no Banco Central. Também figuram na lista engenheiros, médicos pediatras e até neurocirurgiões. Mas os cargos mais comuns entre os terceirizados são os que não exigem ensino superior: vigilante, faxineiro, recepcionista, auxiliar de escritório e operador de telemarketing,

Montamos um arquivo com vários recortes interessantes, como onde há mais terceirizados, quem gasta mais com eles, quais são os cargos mais comuns, qual é a remuneração média por cargo e qual empresa recebeu mais. A planilha também contempla o custo total de cada funcionário, ou seja, custos além do salário. Esse valor pode chegar a R$ 60 mil por mês para uma só pessoa.

Aqui está o nosso levantamento.

Se preferir, acesse aqui a base completa (original) e o dicionário de dados .

Se for usar nossas bases, não se esqueça do crédito. Somos voluntários e nossa única remuneração por este trabalho é o reconhecimento. Valorize!


Este produto é totalmente gratuito e feito por voluntários. Apoie nosso trabalho!


Quanto as universidades receberam com o Fies?

Já divulgamos em outras edições o total de alunos inadimplentes e em fase de amortização no Fies. A novidade desta base é que o FNDE liberou também o valor total da dívida, que pode ser dividido por CNPJ da instituição de ensino. Se preferir, acesse o link original do arquivo (fim da página).


Vantagens e desvantagens do Enem feito por computador

Durante meses, servidores do Inep se reuniram para discutir vantagens, desvantagens e eventuais problemas que a mudança do Enem para uma plataforma digital poderia trazer.

Que tal olhar de perto para essas conversas? Acessamos todas as atas e documentos apresentados nessas reuniões e você pode baixar aqui.

Por alguma razão mística que desconhecemos, este pedido NÃO ficou registrado oficialmente na base de pedidos respondidos da CGU, como de costume. Mas não queremos te deixar na mão para checar os dados. O protocolos do pedido de LAI ao INEP é 23480017234201954, caso queira checar com o próprio órgão.


Atraso em recurso para reforma do ensino médio

O MEC informou que atrasou o repasse para a implementação do programa de apoio ao novo ensino médio. O problema seria uma falha de tecnologia. Até agora as escolas só receberam 20% do prometido. Veja aqui.


Um ranking de reclamações de bancos no Brasil

PAN, BMG e Bradesco estão no topo da lista do terceiro trimestre de 2019. Veja os dados do Banco Central aqui. Veja também esta interessante base de dados sobre o mercado imobiliário.


Os gastos da Polícia de SP e outros órgãos no cartão corporativo: manutenção de viaturas lidera

Vejam esta interessante plataforma do governo do Estado de SP, que registra gastos com cartão corporativo (clique em “Cartão de pagamento de despesas”). Ao fuçarmos nos dados da Secretaria da Segurança Pública, identificamos que mais da metade dos recursos foram para manutenção de viaturas.


Quantidade de professores temporários por cidade e por Estado no Brasil

A jornalista Cris Capuchinho nos deu acesso a uma base de dados, compilada por ela a partir de dados do Inep, que mostra a porcentagem de professores temporários no Brasil. São quatro planilhas: dados de professores temporários por município obtidos por meio do Censo Escolar de 2018, dados de 2014, percentuais de escolas por nível de regularidade docente por município em 2018 e outra em 2014. A fonte de cada uma e seu link está no pé das planilhas. Baixe aqui.

Os dados foram usados em uma reportagem que ela publicou no UOL.


Lei de Acesso à Informação (LAI) na imprensa

  • Em tempos de crise fiscal, Itamaraty mantém auxílios-moradia de até R$ 70 mil por mês - BBC

  • Bolsonaro amplia presença de militares em 30 órgãos federais - Folha

  • Governo registra média de uma violência contra mulher a cada seis minutos - O Globo


Quem somos

Fiquem Sabendo é uma agência de dados independente e especializada no uso da Lei de Acesso à Informação (LAI). Somos um grupo de jornalistas cuja tarefa primordial é fomentar a cultura de transparência pública e do uso de informações governamentais para o controle social.

Nosso compromisso é trazer dicas, tutoriais e dados inéditos a cada 15 dias. A ideia é fazer com que você - cidadão, ativista, jornalista, pesquisador ou entusiasta dos dados abertos - obtenha e use essas informações de maneira cada vez mais qualificada. 

Don't LAI to me: uma newsletter para quem quer informação direto da fonte! 

Editada por Luiz Fernando Toledo

Equipe FS: Léo Arcoverde, Maria Vitória Ramos, Luiz Fernando Toledo, Fabiana Cambricoli e Bruno Morassutti.

Siga-nos no Twitter: @_fiquemsabendo / @toledoluizf / @cambricoli / @mavilaunberg /@555112299jedi


Perdeu alguma edição da Don’t LAI to Me? Veja aqui todas que já saíram:

#19 - Gastos sigilosos: Em oito meses, viagens de Jair Bolsonaro consumiram R$ 3,7 milhões
#18 - Abrindo a porteira: investigando os resultados de concursos públicos
#17 - PF mapeou crime organizado no RJ para grandes eventos em 2013
#16 - Watching the Watchmen: o que os órgãos públicos estão investigando nas redes sociais?
#15 - Meio milhão de reais em uma lanchonete: os gastos dos ex-presidentes da República e suas equipes
#14 - Relatórios sigilosos na PF: milicianos, crimes eleitorais e apreensões de fuzis na América Latina
#13 - Digital influencer pró-governo: quem contratou e quanto pagou?
#12 - BBB do serviço público: o que os servidores estão discutindo por e-mail?
#11 - Ghostbusters: Caçando funcionários fantasmas no serviço público
# 10 - Enviada somente por e-mail
# 9 - Enviada somente por e-mail
# 8 -
Memorando inédito da CIA: a Ditadura e a Igreja no regime Médici
# 7 - Como obter currículos de servidores públicos
#6 - Veja como acessar as dívidas de políticos com a União via Lei de Acesso
#5 - Marinha pede “só” 93 anos para entregar documentos que perderam sigilo
# 4 - Sem Sigilo: Fiquem Sabendo libera 400 documentos do Ministério da Defesa
# 3 - Sem Sigilo: em universidade federal, até pesquisa sobre ensino de flauta vira secreta
#2 - Telegramas do MEC e mudanças na LAI
#1 - Bolsonaro alertou Anatel sobre falsas contas de celular em seu nome

Gostou do conteúdo exclusivo e totalmente gratuito?Apoie-nos no Catarse e ajude a melhorar a transparência pública no Brasil.