Investigando publicidade do poder público na internet - Don't LAI to ME # 38

Veja e analise os sites e páginas que receberam recursos da administração pública por meio de publicidade automatizada

Esta é a edição # 38 da Don’t LAI to Me, a newsletter da Fiquem Sabendo para quem quer informação direto da fonte. É a primeira no Brasil a divulgar bases de dados inéditas de diversos assuntos e trazer dicas e tutoriais exclusivos de como obter documentos e informações do poder público por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Leia um FAQ sobre a Lei de Acesso aqui.


Buscando as listas de anúncios

A lista de páginas e sites que receberam anúncios da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) sobre a Reforma da Previdência no ano passado gerou uma série de reportagens e discussões sobre a forma como este tipo de publicidade na internet é feita. Um relatório feito pela Câmara dos Deputados encontrou uma série de páginas que continham, segundo o documento, conteúdo inadequado como notícias falsas, conteúdo sexual e jogos de azar.

Parecia novidade na imprensa, mas nos bastidores das agências de publicidade a prática é corriqueira. Ferramentas como o Google Adsense permitem que campanhas sejam feitas sem que o anunciante procure canais específicos para a divulgação. A ideia é que se identifique o público alvo, como idade, gênero, região e os gostos da pessoa, e o algoritmo dá conta do resto. Quanto mais visualizações e engajamento tem o canal ou o site, mais dinheiro recebe.

Na iniciativa privada a coisa parece mais simples. Mas e em órgãos públicos? Seria correto que, por meio desse tipo de anúncio, páginas de políticos e agentes públicos recebam dinheiro de publicidade estatal?

Embora a seleção das páginas e sites não seja feita deliberadamente pela agência contratada pelo órgão público, existe a possibilidade de gerar relatórios diários de quem está recebendo os anúncios e bloquear links de canais indesejados.

E é aqui que nós entramos. Nas últimas semanas pedimos pela LAI os parâmetros da campanha publicitária e a lista com as páginas que receberam anúncios dos ministérios. Até o momento obtivemos respostas de três:

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Ministério da Saúde (use o link de Google Drive enviado na resposta ao primeiro recurso ou, se preferir, clique aqui)

Ministério do Turismo

Cuidado: o valor enviado nessas planilhas geralmente não condiz com o que foi, de fato, recebido pelo site ou página, mas sim o que foi pago por quem utilizou o serviço do Google. Geralmente quem recebe o anúncio fica com a maior parte do dinheiro, mas não tudo.

Atentem-se também ao fato de que uma mesma página/site aparece várias vezes na mesma lista. Para saber o total de impressões, o ideal é fazer uma tabela dinâmica no Excel para juntar todas as menções.

Que tal pedir essa informação em outros órgãos públicos, inclusive estaduais e municipais? Mesmo que eles tenham sido feito por agências de publicidade privadas, cite estes casos que conseguimos como um precedente. O dinheiro é público e a destinação desse dinheiro, também.

Se usar os dados, não se esqueça do crédito! Veja aqui como creditar os dados levantados pela agência Fiquem Sabendo.

Você acredita na importância da transparência pública e do acesso à informação em tempos de crise? Apoie a equipe da Fiquem Sabendo.


Casos de Covid-19 na Presidência da República cresceram em julho

Desde o início da pandemia o Ministério da Economia tem feito pesquisas sobre casos de coronavírus entre servidores. Solicitamos e conseguimos a uma tabela com a série histórica desse levantamento, dividida por órgão.


Investigações da PF por apologia ao nazismo disparam em 2020

Acesse as informações aqui.


Anvisa alertou governo para que usasse cloroquina somente para fins descritos na bula do remédio

Veja um trecho desta nota informativa emitida pela Anvisa:

Acesse aqui a íntegra aqui.


Todas as operações da Polícia Federal relacionadas ao novo coronavírus

Veja o nome das operações, número de presos, de busca e apreensão, valor das compras investigadas e outras informações. Acesse aqui. Veja ainda outras operações da PF em 2020 para comparação.


Uma série histórica de leitos no SUS

Os dados foram fornecidos por e-mail e podem ser baixados aqui. Acesse ainda o dicionário de dados que explica o que significam os campos da planilha.


Veja quem devolveu o auxílio-emergencial recebido indevidamente

Apesar das devoluções, ainda há milhares de pagamentos indevidos. Dados disponíveis aqui.


Quais bases de dados sobre meio-ambiente você gostaria de acessar? - Monitor de Dados Socioambientais

Para ampliar o leque de bases de dados oferecido pelo Monitor de Dados Socioambientais, as organizações Abraji, Fiquem Sabendo e Transparência Brasil querem saber quais os temas ligados ao meio-ambiente mais interessam aos jornalistas. As respostas vão orientar novos pedidos de acesso à informação via LAI para alimentar o banco do projeto e oferecer novas pautas. Preencha aqui.

No ano passado, os valores arrecadados não chegaram a R$ 20 milhões em cerca de 1 milhão de hectares de florestas públicas concedidos à iniciativa privada, e a soma da arrecadação desde 2010 é de R$ 78 milhões, conforme dados do Sistema Nacional de Informações Florestais (SNIF).

O SNIF é uma das mais de 600 bases de dados acompanhadas pelo Monitor de Dados Socioambientais, projeto desenvolvido por Abraji, Transparência Brasil e Fiquem Sabendo, com financiamento da Fundação Ford. Leia a reportagem aqui.

Clique aqui para saber mais sobre o Monitor de Dados Socioambientais.

Veja mais da Fiquem Sabendo no Yahoo: Ministério da Saúde tem 2 milhões de testes rápidos em estoque sem previsão de distribuição / Lista de presentes a ministros inclui camisas do Flamengo, imagens sacras, espumantes importados e outros itens curiosos / Mulheres na política: NOVO é o partido com menor proporção de filiadas; MDB tem mais mulheres no quadro / Da reunião ministerial à saída do país: os últimos compromissos de Weintraub como ministro da Educação / Gilmar Mendes é o ministro do STF com mais pedidos de impeachment


Lei de Acesso à Informação na imprensa

  • Sem aulas, escolas do DF registram 160 ocorrências de crimes na pandemia - Metrópoles

  • Anvisa não foi consultada por governo nem avaliou segurança da cloroquina contra a Covid-19 - O Globo

  • Correio paga R$ 782 milhões por atrasos em entregas - Valor

Quem está usando dados divulgados do FS


Sobre a newsletter Don’t LAI to Me

Nosso compromisso é trazer dicas, tutoriais e dados públicos a cada 15 dias. A ideia é fazer com que você - cidadão, ativista, jornalista, pesquisador ou entusiasta dos dados abertos - obtenha e use essas informações de maneira cada vez mais qualificada. 

A cada nova edição percebemos que nosso trabalho é mais compartilhado, reproduzido e usado como fonte para jornais regionais, nacionais e trabalhos acadêmicos. E esse é nosso maior orgulho. Vai publicar algo com dados que divulgamos ou descobrimos? Siga os passos descritos na página “Republique” e conte pra gente nas redes sociais!

Siga o Fiquem Sabendo no Twitter e obtenha dados públicos primeiro.


Perdeu alguma edição da Don’t LAI to Me?

Acesse aqui todas as edições recentes ou, para as mais antigas, veja no site.

E se gostou do conteúdo exclusivo e totalmente gratuito, apoie nosso trabalho no Catarse e ajude a melhorar a transparência pública no Brasil.